Mostrar mensagens com a etiqueta Mom's things. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Mom's things. Mostrar todas as mensagens

maio 25, 2017

livros - contos infantis

já tinha escrito por aqui que um dos nossos rituais à noite (nem sempre, mas muitas vezes) passa por lhes contar uma história. sinceramente, nem sempre resulta como método para os acalmar, porque eles inventam sempre qualquer coisa para adiarem a hora de dormir mas, em última instância, diverte-os, fá-los usar a imaginação, conhecem novas palavras e estão ali connosco, inteiros.





Todos os livros que apresento em cima têm histórias tradicionais, com ilustrações muito giras. 
O Príncipe Sapo, comprei no IKEA. A história é um pouco longa mas muito engraçada.
O meu preferido é o Contos Infantis (cinco minutos), e como o próprio nome indica cada história leva cerca de cinco minutos a contar e tem detalhes que servem para lhes testar a atenção. Ofereceram-lhes daqui
Era uma vez tem três histórias clássicas: Os três porquinhos, a Capuchinho Vermelho e a Caracolinhos Dourados, contadas de forma mais encurtada, perfeita para noites em que já passou a hora de dormir mas eles pedem muito muito um miminho! E o Espantalho Tomás, coitado, vive numa quinta a vida toda até que um dia os amigos o surpreendem e levam até à cidade. Uma aventura!
O Principezinho talvez seja a história mais reproduzida da história, passo a expressão, e sempre de maneiras diferentes. neste caso, é acompanhada de puzzles em cada página. acho que comprei este livro cedo demais ao Rodrigo, mas não lhe resisti na altura! (comprei aqui)



Espero que tenham gostado das sugestões.
Também vos pode interessar este post e este.







Sofia**









o que é mais difícil ao ter um filho?

no outro dia alguém dizia que ter filhos é fácil, difícil é educá-los. não podia estar mais de acordo com esta afirmação. 
eu não tinha esta noção quando decidi ter o meu primeiro filho. acho que pouca gente deve ter. normalmente, antes de decidirmos engravidar, ponderamos se a nossa vida é estável o suficiente, o dinheiro, a casa, o emprego, o carro, se a nossa relação é para durar, se há amor e companheirismo que cheguem para levar a cabo as noites mal dormidas, o fim (ainda que temporário) das saídas a dois, do dinheiro que se gasta em fraldas e que deixa de ser gasto em férias... acho que deve haver poucos casais a ponderar: será que vamos saber educá-lo? vamos conseguir impor-lhe limites? como faremos para lhe transmitir os nossos valores? como vamos lidar com as birras? e com as respostas tortas? e quando nos começar a pedir tudo e mais um par de botas, devemos dar-lhe só porque sim?! não, definitivamente não foram estas as perguntas que nos colocámos quando em 2009 decidimos avançar para o aumento da nossa família. 
mas o mais engraçado, é que perguntas deste género surgiram ainda na maternidade com ele, mínimo, nos meus braços, o inchaço da anestesia, as dores da cesariana: será que te vou conseguir proteger? conseguirei fazer-te feliz? que adulto serás? quero o mundo para ti... e nesse dia começou a preocupação com o dossier mais importante da vida destes (dos) pais e, por consequência, dos filhos também: educação.



nunca fazemos ideia de como serão os nossos filhos, que tipo de adultos se tornarão. nem temos poder suficiente para controlarmos na totalidade. e é importante termos essa consciência: não vamos conseguir controlar tudo! senão vejamos, temos 50% da parte genética que nos pertence mas os outros 50% têm muito que se lhes diga. temos o meio ambiente, os amigos, a escola, as educadoras/professores, as auxiliares, os treinadores, os avós, os tios... e depois temos o nosso filho que desde que nasce absorve o meio que o rodeia, aprende com os nossos exemplos e com os dos outros, ouve o que lhe dizemos e ouve mais uma dúzia de pessoas durante o dia, aprende na escola, aprende na televisão, aprende na rua, aprende, aprende, aprende... e gere tudo de acordo com a sua visão do mundo, com a sua personalidade semi moldada. 
claro que a nossa parte é fundamental. que não haja dúvidas que o nosso papel enquanto pais educadores, enquanto transmissores de exemplos e valores, é de longe o separador mais importante da aprendizagem deles. mas não é tudo.

e é na fase em que eles nos começam a colocar problemas, para os quais não estávamos preparados, que começamos a questionar se estamos a fazer bem, se estamos a fazer o melhor, e se o nosso melhor vai ser entendido por eles da melhor forma. é certo que vamos errar, mas também havemos de fazer muita coisa bem. resta-nos esperar que a mensagem (de amor) passe da melhor maneira possível. 

a mim preocupa-me que não saibam dar valor às coisas, quer materiais porque custam a ter, mas sobretudo ao que é simples mas importante como o amor e amizade. preocupa-me que não tenham empatia pelo outro, que não sejam justos, ou que se deixem levar pelo que as aparências exigem. às vezes tenho dúvidas, tantas vezes, sobre a forma como lhes devo (devemos) passar a mensagem. 


e a vocês, o que vos parece mais difícil ao educar um filho? quais são realmente as vossas preocupações? adorava que partilhassem! :)






Sofia**






maio 18, 2017

livros - vamos falar de emoções?

às vezes aproveito algumas promoções para investir nos livros. foi o caso destes que comprei na altura da black friday na Bertrand, no ano passado, para lhes oferecer no Natal. em cada um escrevi uma dedicatória, alusiva ao tema do respectivo livro. escrevi na última página, não lhes mostrei. vou esperar que um dia, quando já souberem ler, a descubram e se surpreendam!


já lemos todos e eles gostaram bastante. 
o primeiro, A coisa que mais dói no mundo, fala da mentira e de como pode prejudicar os outros e a nós próprios. a história é engraçada (para os miúdos, principalmente), fá-los rir e entender a mensagem.
o Monstro das Cores é interessante sobretudo para a idade do Duarte (4) mas adapta-se perfeitamente aos mais velhos. para ele não foi novidade porque falou deste livro na escola. ajuda-os a identificar os sentimentos através das cores: a tristeza, a alegria, a raiva, o medo e a calma. e o mais giro é vê-lo a aplicar as cores às situações ("Mãe, estou vermelho, tenho raiva!, Estou azul (feliz) mãe!") - não há como resistir.
Adivinha quanto gosto de ti ofereci directamente ao Rodrigo. desde pequenino que lhe digo que gosto dele tanto assim, e quando chegou ao fim da história até lhe vieram as lágrimas aos olhos. parece simples mas transmite tanto. e as ilustrações são lindíssimas.
Zé zangado faz parte de uma colecção de três livros (se não me engano) que falam das emoções para meninos mais crescidos, em idade de leitura. identifica, neste caso, a zanga e como lidar com ela e dá também dicas aos pais para ajudar os filhos nesta coisa complicada que pode ser o sentir e não saber expressar. desta colecção, escrita por psicólogas, faz parte também a felicidade e o medo.


cá em casa falamos bastante (mas naturalmente) sobre as emoções e sentimentos e vejo com agrado que eles já conseguem transmiti-las verbalmente. por exemplo, às vezes, numa birra, depois de chorarem um bocado, pedem colo e mimo, ou então vêm pedir desculpa pela maneira como se portaram. noutras alturas, dizem obrigado ou relatam como estão felizes com determinada surpresa.
isto pressupõe que interiorizaram a situação, identificaram a forma como se estão a sentir e agem em conformidade. numa situação frustrante, choram e pedem mimo para se acalmarem. se se sentem felizes, reconhecem e agradecem o que os fez ficar assim.



estes são alguns dos livros que considero interessantes para de uma maneira divertida e com bonitas ilustrações falarmos de sentimentos com os nossos pequenos. independentemente das idades, é bom começar a construir uma inteligência emocional que lhes permita lidar da melhor forma com as mais diversas situações nas diferentes fases das suas vidas.




espero que tenham gostado. adorava saber se têm mais sugestões.







Sofia**





P.S.: esqueci-me de mencionar o Divertida-mente (o livro e o filme) outro bom exemplo!










maio 15, 2017

13.05.2017

meus amores,

provavelmente, vocês não se vão lembrar deste dia daqui a uns anos, quando forem mais velhos e começarem a perceber que há datas importantes e que devem ser recordadas. e por isso vou escrever-vos:

a 13 de Maio de 2017, Rodrigo tu estás prestes a fazer 7 anos e tu Duarte já tens 4 anos completos. neste dia, Portugal esteve num reboliço tal foram os acontecimentos memoráveis que marcam esta data. 
vocês não são batizados, nem sei se algum dia farão essa opção, mas mesmo assim, saibam que Fátima e a sua história marcam a história do vosso país, e neste dia aquele "senhor vestido de branco", o Papa Francisco, figura que devolveu a fé e o crédito na Igreja a muitos católicos, celebrou o 13 de Maio em Portugal, canonizou os pastorinhos e juntou milhares de crentes e não crentes na cidade onde um dia, contam, apareceu a Nossa Senhora. independentemente da vossa crença ou não neste acontecimento, é inegável o sentimento e a fé que se gera neste dia em particular, naquele Santuário, e no simbolismo que compõe esta história.

depois, ao final do dia, houve uma espécie de final de campeonato de futebol antecipada, em que o clube que orgulhosamente apoiam junto do vosso pai, ganhou pelo quarto ano consecutivo. vocês não se vão lembrar, mas estavam todos vestidos de vermelho e houve muita emoção ao assistir ao jogo, apesar dos muitos golos marcados pelo Benfica. e depois o Marquês, aquela praça enorme e linda em Lisboa que juntou milhares de pessoas, adeptos do clube encarnado, muitos talvez chegados de Fátima, todos a comemorar mais um título do clube que os emociona, que os move, que lhes transmite algo e os faz acreditar.

mas entretanto, em Kiev, Portugal participava no Eurofestival da Canção, e pela primeira vez era um dos grandes favoritos. a expectativa era grande mas acho que pouca gente acreditava que pudéssemos ganhar. sabem, faz um bocado parte de nós portugueses, não acreditar. o País talvez seja pequeno em tamanho mas enorme em qualidade. os países são o que as suas pessoas fizerem dele. e a prova é os grandes nomes que dão cartas pelo mundo inteiro no desporto, na literatura, na moda, na representação, na música... é preciso ter orgulho no que somos, no que fazemos.
e por falar em música, quero que conheçam o Salvador Sobral. sim, aquele "menino despenteado". um rapaz que seguiu os seus sonhos, trabalhou para os conquistar, não se deixou influenciar e construiu a sua identidade musical. por sorte, tem uma irmã também muito talentosa, a Luísa Sobral, que escreveu um poema lindo para uma música maravilhosa e achou por bem ser o irmão a interpretá-la. e não se enganou. 
e a 13 de Maio de 2017, depois de emocionados com a visita do Papa, a vibrar com a vitória do Benfica, fez-se silêncio no Marquês para ouvir o Salvador e rejubilar de alegria por ele trazer para Portugal o título único de vencedor do Eurofestival, com uma canção linda e cantada em português. pouca gente percebeu a letra da canção, porque pouca gente no mundo inteiro percebe português. mas a música é tão bonita e foi cantada com tanto sentimento e sensibilidade que o mundo inteiro rendeu-se.

foi um dia cheio de emoções. um dia importante para o nosso País, para todos nós, porque nos fez acreditar, valorizar, porque nos fez sentir e sonhar. e já dizia o poeta "o sonho comanda a vida!".
e o amor também, diria eu.




Amar pelos dois






























filhos meus:
acreditem sempre que os vossos sonhos são possíveis e nunca deixem que vos digam que não. façam tudo com muito amor, orgulho e dedicação e vão conseguir alcançar as estrelas!






com carinho,
mãe












maio 11, 2017

"porque a determinada altura temos que perguntar porquê."

porque é que o horário escolar é superior ao horário dos funcionários da função pública?

porque é que há cada vez mais crianças diagnosticadas com deficit de atenção ou hiperactividade?

porque é que as crianças trazem tantos trabalhos de casa? para que servem?

porque é que as escolas têm vindo a reduzir o tempo de intervalo (aka brincadeira) e a aumentar o tempo efectivo de aulas?

porque é que os programas são cada vez mais extensos?

porque é que existem cada vez mais crianças e jovens a queixar-se do sistema escolar, das matérias, dos professores...?

porquê...?



na última reunião na escola do Rodrigo, que recordo está a frequentar o 1º ano (1ª classe), a professora referiu que os miúdos andam cansados, que o programa é muito exigente e que está constantemente a mudar. disse ainda que a última turma que teve do 1º ano, há quatro anos atrás, tinha que aprender ao longo do ano lectivo até ao número 20, e que actualmente, o programa exige que aprendam até ao número 100 e que façam algoritmos e pequenos textos da sua autoria! 

e eu perguntei porquê? quem é que elabora os programas escolares? quem é que define o que é importante as nossas crianças aprenderem? quem está no comando tem noção prática do que se passa no terreno? no que é que se baseia o conteúdo programático?

o que recebi de volta foi um encolher de ombros. quase que senti, por parte da professora, um certo receio em falar não fosse ela dizer tudo o que devia (e não devia, talvez). e todos os outros 24 pais presentes na sala se mantiveram em silêncio. ninguém perguntou porquê, ninguém se juntou à minha indignação, todos se mantiveram calados, conformados. 

o mesmo já acontecia no infantário quando nas reuniões as educadoras se queixavam que não tinham tempo para fazer "coisas giras" com as nossas crianças, e que achavam um absurdo terem que seguir regras e um programa idêntico ao do ensino básico porque o Ministério da Educação assim o exigia. e também aqui ninguém perguntava porquê. (ou melhor, perguntava, eu!) havia um encolher de ombros e conformismo generalizado como se fosse tudo normal! o importante mesmo era discutir a qualidade ou a cor das t-shirts, o valor da prenda da festa de Natal ou as mil exigências para a festa de finalistas...

eu não acho normal! e hei-de perguntar porquê sempre que alguma coisa no que diz respeito à educação/formação dos meus filhos não me pareça adequada! 

eu não me importo que eles brinquem à chuva, que subam às árvores, que venham com os joelhos esfolados. eu não quero recreios forrados a borracha, quadros interactivos, tablets individuais, nem aulas de mandarim ou japonês.
eu quero um ensino apelativo e adequado, que fomente a curiosidade deles e que permita o florescer da sua criatividade.
quero que eles tenham tempo para brincar, para jogar, para estar em grupo, dentro ou fora da sala de aula e que tenham tempo para cultivar valores como solidariedade, amizade, cooperação.
quero uma escola com casas de banho em condições, com um pavilhão desportivo onde não chova, com uma ementa alimentar nutritiva que não os faça passar fome ou encherem-se de bolachas logo a seguir ao almoço. (mas também aqui pareço ser a única a preocupar-me...)
eu quero que a escola, o ensino, seja um lugar para onde os meus filhos vão felizes e entusiasmados, mas isso não acontece. e como ainda só estamos no 1º ano sinceramente tenho medo do que aí vem, mas esperança que muito em breve ocorram mudanças.
porque temos que ser muitos a perguntar PORQUÊ?! ou não?!






desculpem o looongo texto, mas este é um tema que me interessa, que me preocupa e que julgo interessa a muita gente... ou estou errada.


deixo-vos este link com uma entrevista ao Prof. Eduardo Sá que achei muito interessante.





e, por favor, não se conformem!


Sofia**












maio 10, 2017

livros - quando tens um filho a aprender a ler

gosto de lhes oferecer livros e eles, embora não demonstrem grande entusiasmo quando os recebem ("humpf... um livro!?!") são os primeiros a pedir uma história à noite, a quererem saber mais, a fazerem perguntas.  não só é um óptimo pretexto para aquele momento de aconchego antes de dormir, que se quer calmo e sem grandes barulho, como sem esforço nenhum eles vão aumentando o seu vocabulário, ganhando conhecimentos e viajando através das aventuras das personagens! 
além disso, um livro é a minha primeira opção sempre que tenho que comprar uma prenda para as mil e oitocentas festas de aniversário que eles têm ao longo do ano. descansem, só vão a cerca de metade! (risos) o Rodrigo também não acha muita piada, diz que qualquer dia não o convidam porque só oferece livros, mas enquanto as mães me agradecerem... vou manter!

e por falar em livros, hoje e nos próximos dias vou mostrar aqui alguns da biblioteca infantil aqui de casa. há muitos mais, mas estes foi os que achei mais interessantes partilhar.



são ideais para as idades em que estão a iniciar a leitura. o de Tim Warnes é de leitura fácil para os meninos que estão a aprender a ler, é divertido e eles gostam. 
o da Pesca de Palavras encontrei na Fnac quando o Rodrigo entrou para o 1º ano e não hesitei em trazê-lo, tem exercícios que implicam a formação de palavras através do jogo da pesca, o que o torna muito divertido e os faz praticar sem aborrecimentos.
o livro do corpo humano e o dicionário das crianças do mundo comprei no Jumbo, acho, e dá-lhes conhecimento sobre cada um dos temas com linguagem e ilustrações ajustadas a estas idades. é engraçado encontrarem aqui as respostas a como funciona o coração ou sobre a forma de vida das crianças na Índia, por exemplo!



o melhor dos livros infantis é a capacidade de ensinarem sem que os miúdos se apercebam que estão a aprender. o livro dos Porquê é maravilhoso. adorei quando o ofereceram ao Rodrigo porque eu também tive um e era o meu livro preferido. (lembro-me bem daquela capa cor de rosa! quem teve?) e ele também gosta muito, e à noite vamos encontrando as respostas a algumas perguntas que ele mesmo coloca.
As Adivinhas e Anedotas são giríssimos, fartamo-nos de rir e eles gostam de quando estão com amigos ou família partilhar uma ou outra piada. (estes acho que encontrei no Pingo Doce)

Depois o pê de Pai, que dá para qualquer idade, de tão bonita que é a sua mensagem!



espero que tenham gostada desta partilha. por vezes é difícil no meio de tantos livros que existem nas livrarias perceber quais os mais indicados, espero ter ajudado qualquer coisa. 
não tarda trago mais sugestões.




Sofia**






maio 08, 2017

dia da mãe 2017 (#2)




o dia não começou da melhor forma. tenho um filho com uma maneira estranha de demonstrar os sentimentos. talvez não seja estranha, é a maneira dele, que por vezes pode ser desconcertante, mas não deixa de fazer parte daquilo que o torna o menino maravilhoso que é. e é também nestas pequenas coisas que vejo tanto de mim nele. talvez por isso, tantas vezes arranje coragem para ultrapassar a mais disparatada forma que ele arranja para dizer que me ama, que gosta de mim, que se preocupa. é nessas alturas que respiro fundo e digo para dentro: ser mãe também é isto, é ultrapassar, compreender, é contar até 10 e ir até lá só com carinho, um beijo, os braços abertos. sempre com os braços abertos. fazê-lo ver que não foi a forma certa mas que entendi o conteúdo.
tenho um filho com uma forma estranha de amar. não é estranha, é a dele. e a minha é mostrar-lhe que o meu amor por ele não acaba. mesmo que por vezes me custe compreendê-lo.

dizia eu que o dia não começou da melhor maneira. ou talvez até tenha, porque o dia da mãe é para celebrar tudo o que a maternidade abarca, e certamente, não é plena de perfeição.






espero que também tenham tido um dia feliz!





Sofia**









maio 04, 2017

um fim de tarde

andava eu na limpeza dos posts "rascunho" quando encontrei este fim de tarde que, junto com outros, fará parte da manta das memórias felizes!





"Um homem chegou aos quarenta anos e assumiu a tristeza de não ter um filho. (...) Estava sozinho, os seus amores haviam falhado e sentia que tudo lhe faltava pela metade, como se tivesse apenas metade dos olhos, metade do peito e metade das pernas, metade da casa e dos talheres, metade dos dias, metade das palavras para se explicar às pessoas. (...) Via-se metade ao espelho porque se via sem mais ninguém, carregado de ausências e de silêncios como precipícios ou poços fundos. Para dentro do homem era um sem fim, e pouco ou nada do que continha lhe servia de felicidade".

Valter Hugo Mãe, in "O Filho de Mil Homens"

abril 28, 2017

Baleia Azul




Ontem uma amiga enviou-me o link de uma suposta administradora do jogo Baleia Azul com a indicação para jamais aceitar o pedido de amizade sob pena de entrar neste jogo da morte.
Os meus filhos são pequenos (4 e 6), ainda não têm telemóvel nem acesso à internet, por isso, sinceramente, ainda não me tinha inteirado sobre este jogo terrível de que toda a gente fala. mas acho que, qualquer que seja o jogo que se queira evitar, afastar dos nossos filhos, que mais tarde ou mais cedo vão ter acesso a tudo o que de bom e mau existe na internet (e na vida real), o mais importante é estarmos com eles, presentes na vida deles, com vínculos fortes e valores interiorizados. 
é a maior arma de defesa que os pais podem passar aos filhos!




"os nossos filhos precisam de um futuro com menos ansiedade e mais valores reais. precisam de pais presentes."

Não podia concordar mais!







Sofia**




abril 24, 2017

16 semanas... *

já falei algumas vezes sobre isto, sobre a minha intenção de voltar à actividade física, de em cada viragem do ano renovar os votos de melhorar a minha condição física, fazer exercício regularmente, comer melhor... mas a verdade é que não tem resultado! a verdade é que todos os anos, desde que fui mãe, faço exercício aí umas duas vezes por semana, às vezes uma, ou nenhuma mesmo. a alimentação também tem tido muitos devaneios, e embora não se reflicta muito no peso, há sempre aquele pneu, aquela barriguinha... não tenho sido consistente nos meus objectivos, sendo bastante honesta...

até entrar em 2017!








 e o que mudou? finalmente tomei consciência de que:

- os trintas não são os novos vintes, deixem-se de coisas! e o corpo é o primeiro (e pode ser o único, se quisermos) denunciador disso. o metabolismo é diferente, a pele muda, tudo muda, e temos (ou devemos) estar atentas.

- mais tarde ou mais cedo uma gravidez deixa marcas (que dizer de duas ou mais). e eu que nem aumentei muito de peso, no primeiro filho voltei logo ao lugar, no segundo também achei que sim mas depois... depois é comparar as fotos na praia e ver algumas diferenças!

- posto isto, se não me ponho a mexer, aos quarenta nao me reconheço e, definitivamente, não é isso que eu quero para mim! quero estar bem, sentir-me bem e ter muita saúde!


portanto, a mudança tem que começar de dentro para fora. (já ouviram isto em qualquer lado??). temos que ter um objectivo claro em mente, temos que querer mesmo alterar hábitos alimentares, rotinas de exercicio fisico e temos que adequar isto ao nosso dia a dia, para que estas alterações sejam duradouras e, depois de algum tempo, definam mesmo o nosso estilo de vida. resumindo, não é fazer exercício de janeiro a maio, é de janeiro a janeiro!


no inicio deste ano (ou no final de 2016) tirei umas fotos em frente ao espelho, de bikini, sem me encolher, sem poses, sem filtros... e não gostei do que vi. repito: EU não gostei do que vi. ninguém mais viu, ninguém fez comentários, era apenas eu e o espelho, e aquela gordurinha chata e feia nos sitios chave. e fez-se um click interior que me levou a tomar uma atitude.
era inverno, por isso as minhas corridas ou caminhadas não estavam no topo das prioridades, inscrever-me num ginásio estava fora de questão, e seguir exercicios no youtube também não estava a resultar!
há algum tempo que lia um blogue de uma instrutora de fitness australiana que começou a divulgar uns exercicios e algumas dicas alimentares, e hoje em dia é uma mega estrela do fitness. já tinha experimentado a app (durante uma semana) e resolvi comprar e começar no mesmo dia a cumprir a agenda.

hoje entro na 16ª semana (comprei por 12 semanas e já renovei por mais 12), de exercicios consistentes e regulares, plano de alimentação, agenda semanal de exercicios e fotos de antes e depois. os exercicios são simples, quase que não precisam de equipamento e trabalha-se muito com o peso do próprio corpo, podem ser feitos em casa, no parque ou no jardim, e o circuito completo dura apenas 28 minutos!


comigo tem resultado porque:

- posso fazer quando quero e onde quero (basta ter o telefone e wi-fi comigo);
- são exercicios objectivos, com tempo marcado e repetições definidas o que faz com que eu não me disperse;
- é só meia hora... todos temos meia hora por dia que podemos dedicar a nós, certo?
- sinto-me mesmo bem por estar a cumprir o que me propus;
- e o melhor? começo a ver resultados!


é certo que os resultados, no meu caso, podiam ser mais evidentes, mas eu não tenho sido rigorosa, nem com a alimentação (embora tenha alterado algumas coisas, super importante) nem com os exercicios (o cardio não tem sido cumprido à risca) mas o que interessa é não desistir e continuar, melhorar!


é imprescindivel perceber que tipo de actividade física se adequa melhor a cada um de nós.
é muito importante também termos consciência que não basta uma app, uma inscrição no ginásio, uma foto aos ténis a dizer que corremos 10 km, para ficarmos em forma.
é necessário efectivamente FAZER, cumprir com o nosso plano para atingir o nosso objectivo. NOSSO, não da amiga, da vizinha, do marido ou namorado. o NOSSO objectivo!

o meu é sentir-me bem comigo, com o meu corpo, sempre. não começar a recusar vestir roupas porque já não me sinto bem com elas, poder acompanhar os meus filhos nas corridas, na bicicleta, nas escaladas. avançar com a idade sem ter medo dela. ser saudável e sentir-me bem, comigo, sempre!



e vocês, qual o vosso objectivo? já pensaram nisso?


se quiserem espreitar o blogue da Kayla e tirar algumas dicas ou experimentar a app, podem fazê-lo aqui!

aproveitem o feriado para mexer um pouco!






Sofia**







* confesso que o título do post foi provocador!!! ;)





abril 19, 2017

a memória do Amor

esqueçam as birras. esqueçam a casa de pernas para o ar. esqueçam os amuos. esqueçam as brigas entre irmãos. esqueçam as irritantes respostas. esqueçam o cansaço. esqueçam os brinquedos por arrumar. esqueçam a ida ao hospital com a cabeça partida. esqueçam o susto. esqueçam as mil recomendações. esqueçam aquele grito...

esqueçam.



lembrem-se dos sorrisos, do som das gargalhadas. lembrem-se dos momentos de brincadeiras a dois. afinal, foram muitos. lembrem-se da alegria, dos sorrisos felizes. lembrem-se de quando cooperaram. lembrem-se de quando não foi preciso dizer-lhes nada. lembrem-se quando tudo fluiu, simplesmente, como se fosse sempre assim. lembrem-se das declarações, as directas e as subtis. lembrem-se dos beijos, dos abraços, do colo, do amor...


lembram-se de tudo isto? 





eles também.
e então, valeu a pena!





Sofia**














março 20, 2017

dia do pai

o dia do Pai é todos os dias. que ninguém duvide disso. assim como são todos os dias dia da mãe, da mulher, dos avós, da família, and so on... mas nem sempre, na correria dos dias, nos lembramos de mimar mais, quem é importante para nós, quem nos faz falta, quem é imprescindível todos os dias, todo o ano, nas nossas vidas. estas datas de calendário, que tantos gostam de associar ao comércio, servem também para pararmos um pouco e dizermos ao outro: és importante para mim!





 

instagram @sofia_ferr


este ano, para além das prendinhas feitas com carinho na escola, queridas e com utilidade (ainda bem!), houve também uma dinâmica pai/filhos num sítio maravilhoso, daqueles que dá vontade de ficar e não sair, só pela tranquilidade que lá encontramos. o MODO em Portimão, tem iniciativas e workshops muito engraçados, e desta vez não deixámos escapar. os miúdos passaram a manhã com o pai (e com outros pais e filhos) a construírem as suas próprias fisgas! (quando foi a última vez que viram uma??) passeio pelo campo, ao ar livre com um dia lindo, a apanhar paus em forma de Y, a pintar e decorar a gosto, para no fim poderem competir na fisgada às latas! uma brincadeira daquelas à antiga! :)
eles a-do-ra-ram! este tipo de programas é feito à medida para os meus filhos, que são uns autênticos Tom Sawyers! o Rodrigo disse que foi o melhor dia do Pai de sempre. pai e filhos estavam super felizes e não se calaram a contar-me os pormenores de tudo o que fizeram durante a manhã.
hoje, lá foram de fisgas para a escola (os filhos!), para contar aos amigos onde e como passaram o dia do Pai. (acho que fizeram sucesso junto dos colegas).
foi um dia muito bem passado. acho que mostrou bem a importância que o Pai cá de casa tem nas nossas vidas (não podia ter escolhido melhor!) e foi uma experiência que se vai transformar em memória e nenhum deles vai esquecer! 





espero que tenham tido o melhor dia do Pai possível. 
um beijinho para quem já não pode dar aquele abraço...






Sofia**









março 16, 2017

os meus filhos (não) são melhores que os vossos!

como sabem, no fim de semana fomos passear até Sagres, comemorar o aniversário do pai. uma viagem a quatro. por norma, as nossas viagens não correm mal. claro que eles falam muito, implicam um com o outro, tem que sair sempre um calem-se!  ou parem quietos! mais aceso, mas no geral, eles gostam dos passeios, conhecer novos sítios, fazem perguntas e desfrutam da nossa companhia.
pois bem, no sábado não foi assim que aconteceu! pura e simplesmente não foi. os meus filhos pareciam estar loucos, mas assim, desde que acordaram! a cada pergunta nossa a resposta era NÃO!, a cada passo lá estavam eles a desentenderem-se os dois, e cada tentativa de recomeçar o dia era imediatamente sabotada por um deles. sobretudo o mais velho, parecia que tinha saltado 10 anos e tinha agora 16, e uma rebeldia profunda e sem causa! a sério, foi de nos tirar do sério! várias vezes ao longo da interminável viagem (de 1h!!), durante o almoço, mais tarde no hotel e no restaurante, passou-me pela cabeça rifá-los. (Nem nas quase 5h de viagem até à Serra da Estrela foram tão desgastantes!!) olhávamos um para o outro, e quase sem falar, perguntávamos porque raio não tínhamos convocado os avós para ficarem com eles, e permitir-nos desfrutar calma e relaxadamente da vista mar, da sangria e da paz que se vive em Sagres!?! no Domingo já correu melhor, mas não sem abrir bem os olhos ao mais velho umas quantas vezes. acho que deixá-los livres, a correr pela praia, também ajudou.



instagram @sofia_ferr



e porque é que estou a partilhar isto? porque é preciso. é preciso dizer-se que apesar de não se partilharem fotos no instagram com miúdos a fazer birras e pais com os cabelos em pé, estes momentos fazem parte de qualquer família, de qualquer fim de semana ou férias, seja num lugar paradisíaco ou na praia mais perto de casa. é assim a vida normal de pessoas, famílias e crianças. eu própria, tive que me lembrar disto ao longo do fim de semana, eu própria partilhei fotos e vídeos, mas claro que em nenhum eles estão na fase demoníaca. até porque nesses momentos, se tivesse o telemóvel à mão não seria para os fotografar... - e também, porque houve momentos (raros) tranquilos.
é bom partilharmos estas coisas também. não pensem que blogues cheios de visualizações e contas de instagram com milhares de seguidores têm filhos mais perfeitos que os vossos, que os meus. somos todos de carne e osso! somos todos perfeitos nas nossas imperfeições. e as nossas crias não são excepção.


mas, e no fim? bom, no fim, imaginem uma laranja, espremam essa laranja, e provem o sumo. é doce! não é em grande quantidade, mas é doce! ou seja, quando regressámos a casa, os meus filhos estavam de volta, carinhosos e sorridentes. relembraram os sítios que visitámos, adoraram o hotel, a viagem e pediram para repetir fins de semana como este. (abri logo os olhos!!) tudo voltou ao "normal"...
havemos de repetir sim, porque o sumo, no fim, era doce!


#mastambémjáprometemosirsemeles :))








Sofia**






mais posts relacionados que podem interessar aqui e aqui!











março 07, 2017

25.02.2017

Duarte, quatro anos. tinha escrito num papel, mas receio que se perca, ou que com o tempo, os dias, os anos, as letras se apaguem. e como já tenho dito, aqui também se escreve um diário. para vocês.


instagram @sofia_ferr




quatro anos, cheios de vida. agradeço. desde muito cedo te chamo meu filho doce, por esta altura, aliás, és o meu docinho de côco, vá-se lá saber porquê. talvez pela tua facilidade em demonstrar os sentimentos. os felizes e os outros. por não teres pudor em me abraçar, enrolares-te no meu pescoço, e com essas mãos pequenas, ainda com covinhas, apertares as minhas bochechas e repetires: minha mamãzinha linda!, enquanto me dás muitos beijinhos. derreto. és um doce mesmo. mas também tens os teus dias... faz parte. 
quero recordar para sempre, para além dos mimos que me dás, as conversas que tens com o teu mano, a tua alegria quando o pai chega a casa, as tuas expressões tão engraçadas, e o teu sorriso. sabes Duarte, o teu sorriso é iluminado, é aberto, é feliz. que seja sempre, para sempre, assim.
dos teus três anos de vida, não me quero esquecer nunca de nós os dois, a correr de mãos dadas pela rua fora, cabelos ao vento, gargalhadas a ecoar. e enquanto te olho de cima para baixo, feliz ao som da tua gargalhada, sorrio completa, perante o teu olhar, de baixo para cima, e esse teu sorriso, aberto, iluminado e feliz.






Parabéns, meu filho doce!

amo-te muito,

mãe











fevereiro 15, 2017

Duarte e o sentido fashion da coisa!

quando te aprontas para sair de casa e o teu filho te olha de alto a baixo e exclama:

- vais assim, mãe??
- (desculpa?!) sim... então filho?
- vais assim, de robe??

...

primeiro: PÁRA TUDO! o meu filho de 3 anos (quase 4!) já faz observações sobre o meu visual?? mas o que é isto??  (risos) 






segundo: ok, não estava de salto agulha, mas eram saltos; estava pintada, mas talvez o olho clínico dele ainda não capte tanto pormenor; já tinha a mala a tiracolo e até estava penteada, mas ele achou que eu, sua querida mãe, ia para a rua de robe!!! enfim, depois de analisada a situação, o mal-entendido decorreu do cinto enrolado à cintura. esclarecido, deu-me permissão para sair assim de casa! vá lá...

terceiro: os genes masculinos dominam o meu pequeno, não há dúvidas!



mas em sua defesa (!), confesso que não é todos os dias que me sinto bem com este tipo de casacos. às vezes visto-o e penso: huuumm, estás mesmo com ar de quem vai direitinha para o sofá!, e toca de mudar de casaco. noutros dias, como hoje (!!), acho-o descontraído mas elegante, despretencioso mas super actual, e saio de casa toda confiante, assim, agasalhada. 


e por aí, alguém rendido aos casacos-tipo-roupão? também têm dias ou nem pensar em trazê-los para o roupeiro? adorava saber as vossas escolhas!








Sofia**













fevereiro 13, 2017

(#2) quando tens um filho a aprender a ler...




estamos em Fevereiro. o Rodrigo entrou no primeiro ano, em Setembro, a saber pouco mais do que escrever o seu nome, muitas vezes a copiar, e porque aprendeu no jardim de infância. nunca fizemos qualquer tipo de exercícios de letras ou contas com ele, a não ser quando perguntava. aliás, posso dizer que ele sempre fugiu um pouco deste tipo de coisas. procurou sempre as brincadeiras na rua, as respostas às muitas perguntas que lhe vão surgindo (e se ele é curioso), as experiências que adora fazer. desde sempre que lhe(s) lemos histórias à noite, mas nunca insistimos para que começassem a aprender o alfabeto ou a juntar silabas. o interesse é mesmo ampliar o vocabulário, apelar à imaginação e ao gosto pela leitura.
estamos em Fevereiro, e começa a ser frequente, às refeições, o Rodrigo "ler" a comida, ou seja, os rótulos. aos poucos vai juntando as silabas, faz o compasso batendo com dois dedos numa mão e lê: mi-mo-sa, Mimosa! e fica mesmo feliz por ter conseguido ler sozinho aquela enorme palavra. e nós ficamos felizes por ele.
todos os dias lhe arranjo o lanche para levar. ele podia comer na escola, mas como não adora queijo, a opção seria comer pão com fiambre, leite ou iogurte, até enjoar. achei que acabaria por ser monótono e fraco, no aspecto nutritivo, e por isso resolvi fazer-lhe os lanches. não leva muito tempo, não sai mais caro, e é um miminho que lhe faço. pelo menos é assim que o sinto. 
estamos em Fevereiro, e há duas semanas comecei a juntar ao lanche pequenos post-its com palavras simples: Sorri. Um beijo. Dia bom. Adoro-te. e como ele ficou contente com esta simples, achava eu, surpresa. a primeira vez chegou a casa e disse: mãe, mandaste um bilhete no lanche!! gostei tanto!! e consegui ler mãe! passaram duas semanas, e ele já começa a pedir palavras diferentes, não tarda tenho que começar a fazer pequenas frases para que o meu rapazola, de seis anos, que anda no 1º ano, as leia!
estamos em Fevereiro, e em pouco mais de quatro meses o Rodrigo já sabe ler! o tempo é incrível, e rápido, mas ainda me lembro das primeiras vezes que chegou a casa, com os textos para fazer e não conseguia mais do que identificar algumas letras. parece que há tão pouco tempo fazia umas letras enormes no caderno e desesperava por juntar silabas ou ler palavras tão simples como casa. os miúdos são incríveis, e basta termos paciência e irmos ao sabor do ritmo deles, que os resultados aparecem, sem pressões.
estamos em Fevereiro, o Nuno quando entrou na escola já sabia ler. a Clara em Dezembro já lia muitas palavras. e o Rodrigo começou agora! 



(quando tens um filho a aprender a ler, lembra-te: cada miúdo tem o seu ritmo. e aproveita, porque isto é mesmo rápido!)







muito orgulho em ti, meu amor!
um beijo,

mãe







janeiro 30, 2017

Noites...


Duarte, 5 meses





Eles nunca ficam deitados à primeira. Há sempre uma história, um mimo, mais um beijo, e águas e xixis de perder a conta. Às vezes é chato, chega mesmo a ser esgotante, confesso. Mas também posso dizer que ultimamente, mesmo saindo do quarto deles a resmungar, quase sempre, não me sai da cabeça o "isto está a acabar". Nem sei explicar bem, afinal eles só têm seis e três. Ou já têm quase sete e quase quatro...
Hoje, depois de me zangar com tanto chamamento, rendi-me às evidências. enfiei-me nos lençóis, aconcheguei-me em cada um deles, fiz festas nos cabelos, dei beijinhos nas bochechas, sussurrei muitos "amo-te!" ao ouvido, e gravei cada sorriso seu, na minha memória e no meu coração de mãe, tão cheio. Fui tão feliz ali, naquele momento. Imensamente feliz. E sei que eles também.






Boa noite!!



Sofia**











janeiro 25, 2017

para rir (#2)




ao jantar, bifes de frango bem temperados com especiarias várias e acompanhados de arroz de cenoura (delicioso, feito por ele) e fruta (não dispensamos fruta ou salada à refeição). o Rodrigo come um pedaço de frango e queixa-se:

Rodrigo - mãe, isto está picante!! (e engole água de forma dramática)

eu - não está não filho! nem pus pimenta, só ervas!

Duarte (com um ar muito grave e sério, sobrancelhas franzidas e dedo em riste) - ervas? oh mãe, ervas?? não sabes que quem come ervas são os cavalos?? as pessoas não comem ervas, mãeee!



risada quase total! apesar do Duarte ter mantido o seu ar muito sério em relação a este assunto de extrema importância!! ;)





Sofia**
















janeiro 23, 2017

a todos os pais de filhos...

... que dispendem os seus dias de descanso, leia-se fins de semana - entre jogos de futebol, saraus de ginástica, idas ao parque, festas de aniversário, torneios de tudo e mais alguma coisa, e/ou outras tantas actividades que nos invadem a agenda, e que a juntar a isto, ainda somam os almoços e jantares preparados em casa, a roupa pronta para a semana, e os lanches pensados para os pequenos, aqui fica a minha solidariedade e o meu apelo a uma qualquer associação de protecção parental (a ser criada ou não): 

o fim de semana devia ter 3 dias!! *


 Duarte, 7 meses, começava a gatinhar... 



* e mesmo assim, cansada porque não parei nestes dois dias, e ciente que são só dois, também vos digo: isto passa tão rápido, mas tão rápido... estou a fazer o álbum do primeiro ano do Duarte (huuumm, ok, ele já faz quatro!) e derreto-me a olhar para ele bebé, bochechas fofas, refegos nas pernas. a mama, as primeiras sopas, o primeiro tudo. e o mano, ainda tão pequenino, a segurá-lo no colo, cara de bebé/menino, ainda a aprender tanto, a descobrir o mundo... dá-me vontade de ter uma máquina do tempo e voltar atrás sempre que sentisse esta vontade louca de os ter pequeninos, os dois, tão fofos!






bom, agora que me passou a lamechice, boa semana, estou solidária com todos vós!! ;)



Sofia**
















janeiro 17, 2017

quando tens um filho a aprender a ler...




é sinónimo de passarmos a ser o seu tradutor, ou seja, não há filme nem legenda que não tenhamos que lhe ler:

- o que é que ele disse mãe? mas lê lá! oh pai, o que é que ela lhe disse agora? mas diz-me tudo sem eu ter que te perguntar!! Opá, não leste tudo! o que foi que eles disseram??

e pronto, lá estamos nós a tentar ver o filme, a lermos para nós, lermos em voz alta e tentar que não nos escape nada senão lá vem o policia das legendas!! 


e é isto... e esperar que ele já não leve muito tempo a ler uma frase completa... 

Por aí, igual?



Bom dia!


Sofia**