novembro 18, 2018

os manos

ter o terceiro filho foi uma hipótese que esteve sempre em cima da mesa. por mim, por nós, eles teriam todos três anos de diferença entre si, mas por ter feito duas cesarianas não foi possível. depois, conforme o tempo passa e eles vão ficando mais independentes parece que custa mais voltar a pensar em fraldas e noites mal dormidas, a nossa própria independência também nos leva a outros planos e pode afastar-nos da ideia de ter mais um. foi o que aconteceu comigo durante algum tempo. quando voltámos a falar mais a sério sobre esta hipótese, decidi que teria que ser este ano e ponto final. 

sem falarmos com eles sobre este assunto, porque achamos que a decisão tem sempre que partir de nós pais, ter outro irmão era um desejo que cada um ia expressando á sua maneira. aliás, ter uma irmã era o que eles queriam de verdade. e nós ficávamos enternecidos ao ouvi-los falar e planear como seria com a mana, que nós ainda nem sabíamos se viria, mas que para eles era já uma certeza.
nunca me vou esquecer da reacção dos dois quando contámos que o "presente" deles estava na barriga da mamã. foi uma felicidade genuína. 
a mesma que vi nos olhos de ambos quando viram a mana pela primeira vez! um brilho no olhar, uma ternura a pegar nela como nunca tinha visto, e como se calhar não seria possível se eles fossem mais pequeninos e vissem esta mana talvez mais como uma ameaça ao seu espaço em vez de mais alguém para partilharem amor.
e talvez por isso as palavras deles me fiquem gravadas e eu queira registar as reacções de quando se conheceram a primeira vez:



Duarte, 5 anos: "Estou tão feliz, mamã!"




Rodrigo, 8 anos: "Mãe, já não preciso de prendas de Natal!"






meus três amores...

mãe










novembro 15, 2018

01.11.2018




não foi inesperado, não houve surpresas, desta vez. no dia marcado, pelas 09h00, lá estávamos nós pela mão do pai, no Hospital de Faro. Pensámos que seria rápido, que ao final da manhã já te conhecíamos, mas não. felizmente o nosso caso não era urgente, e apesar de às 10h já estar pronta e a soro, a nossa "hora" foi sendo adiada... deu para conversarmos, para dormir um pouco, falar com os manos ao telefone, sacudir um certo nervosismo, que por muito que não se queira aparece sempre em situações em que a saúde e o amor se cruzam.
ás 16h, finalmente chamaram-me. um beijo no pai e um até já. depois foi a parte menos romântica, a preparação para uma cirurgia (para os médicos), preparar-me para conhecer a minha filhA (para mim).

a sala estava gelada, e eu tremia tanto de frio, talvez do nervosismo também. mas havia música, e vozes, calmas e compreensivas também. a equipa que me assistiu foi impecável e atenciosa.


e, naquele momento que me pareceu uma eternidade, enquanto tocava na rádio Procura por mim, letra com tanto significado, que tanto ouviste enquanto habitavas em mim, oiço o teu choro forte e vigoroso... eram 17h11m e nascias tu Victória, e as lágrimas que me caíram pela face ao conhecer-te, finalmente, aqueceram-me!

benvinda ao mundo, à minha vida, às nossas vidas!



Amo-te,
mãe





outubro 16, 2018

o amor em (34) semanas...

nesta altura já só olho para a meta. o cansaço apodera-se de mim, vejo e revejo o que ainda falta fazer para receber a nossa menina, para não ter muito com que me preocupar depois, no imediato, quando forem três a pedir atenção e mimo. as noites já são difíceis, a ciática dá cabo de mim, mas de resto sinto-me bem, ansiosa para conhecer a minha bebé!




é a minha terceira (e última) gravidez. tenho registo de todas. fotografias que se transformaram em álbuns, palavras que resultaram em diários. aqui e em papel, com a minha letra, com algumas frases mais que ficam só para cada um deles, um dia que as leiam.
ás vezes perguntam-me como era quando estavam na minha barriga e eu recorro ás imagens, e lembro-me de cada uma delas para lhes contar um pouco da sua história.
por isso digo: não se inibam de registar as diferentes fases da gravidez. mesmo que agora só encontrem defeitos, daqui a muitos anos vão com certeza achar que afinal estavam fantásticas e vão ter imagens bonitas para contar um pouco da história dos vossos filhos!




Sofia**






outubro 04, 2018

ainda vamos a tempo de falar das férias de verão??

ao contrário do ano passado, que viajámos durante dois dias para chegarmos ao nosso destino (maravilhoso) de férias, este ano decidimos ficar por perto. achámos que o final do segundo trimestre de gravidez não combinava com grandes viagens e grandes aventuras e optámos finalmente por "explorar" a costa vicentina.
digo finalmente porque tanto eu como o R. crescemos na costa, conhecemos bem algumas praias, esta é uma zona maravilhosa que nos é bem familiar.  apesar disso, nunca passámos realmente férias nestas praias lindas, por comodismo acabávamos por ficar sempre em casa (Sines, Porto Côvo) ou se era para sair resolvíamos ir para perto de nuestros hermanos. mas a verdade é que a beleza das nossas praias é única e a qualidade da nossa comida é sem sombra de dúvidas melhor!











depois de irmos buscar os miúdos aos avós e de passarmos alguns dias com a família, descemos um pouquinho e parámos na Zambujeira do Mar,.
tivemos muita sorte com o tempo, meados de Agosto altura em que houve aquela vaga de calor que serviu para que na costa vicentina não se morresse de calor mas também não foi necessário andar sempre de casaco atrás (como é costume).
e ainda bem que ficámos por aqui. fomos á praia de Odeceixe que é linda de morrer, mas com uma grande descida... o que significa uma maior subida, o que me deixou um bocado cansada! redescobrimos depois a praia do Carvalhal, com bons acessos, grande areal e com ondas suficientes para o Rodrigo praticar skimming. acabámos por ir para lá nos dias seguintes e quando demos conta o nosso surfer boy já dava aulas a uma série de miúdos que se juntavam a ele para experimentar a prancha e pedir dicas para começarem.
a temperatura da água também estava aceitável e apesar da constante bandeira amarela conseguimos tomar sempre banho.

éramos sempre os últimos a sair da praia (por volta das 21h!!) porque somos grandes fãs do por do sol, momento mágico e único quando presenciado na praia. a esta hora a água ficava ainda melhor e convidava sempre a um último mergulho!








ficámos "hospedados" no Zmar, mais propriamente na nossa tenda! (achei que se já dormia mal na cama porque não dormir mal no colchão insuflável?! e a verdade é que não foi pior!)
divertimo-nos no Zmar, os miúdos fizeram amigos, e tentámos intercalar períodos de praia com piscina. a piscina de 100m é realmente fantástica, e mesmo estando muita gente nunca nos sentimos "encurralados". o parque para crianças tem espirito de aventura e os meus rapazes adoraram! também existem espectáculos á noite, e actividades durante o dia para quem quiser explorar o parque, descobrir novas actividades ou simplesmente divertir-se!
a limpeza dos espaços comuns é boa, na zona das piscinas, mas na zona dos balneários deveria ser melhor, bem como a iluminação das ruas, praticamente inexistente.


de uma maneira geral passámos uns dias maravilhosos no nosso país, e tão perto de casa! estes dias em que estamos só nós, sem horários, nem coisas chatas e rotineiras para fazer são sempre a melhor fase do ano. claro que há sempre uma discussão ou outra, irmãos que se chateiam, pais que repreendem, mas no fim o saldo é muito positivo e, quando acaba, começamos logo a olhar para o calendário á procura de uma hipótese para escaparmos outra vez!




e por aí, que tal de férias de verão? 



Sofia**


P.S.: se quiserem podem espreitar as nossas últimas férias e outros passeios AQUI! ;)






setembro 27, 2018

2016, o álbum!
















tento fazer sempre um álbum por ano, com as nossas melhores fotos, os melhores momentos, o que queremos recordar, o que não queremos mesmo esquecer. por norma, aproveito o final  do ano em que há sempre promoções e consigo fazer dois álbuns pelo preço de um.
dá-me sempre imenso gozo escolher, passear-me pelas fotos, relembrar quando e onde estivemos e a fazer o quê. por vezes, até consigo lembrar-me de alguma coisa mais caricata que tenha acontecido. 

também guardo sempre algumas páginas para fotos do Instagram, que muitas vezes traduzem momentos flash que me trazem muitas emoções. estou a terminar o álbum de 2016, um ano que não foi muito fácil, mas que teve muitos bons momentos.  escolhi estas fotos do IG, o Rodrigo com seis anos e o Duarte com três, tão pequeninos, parece que foi há uma eternidade... não deixem mesmo de passar algumas das milhares de fotos que ficam esquecidas no disco rígido para o papel. vale mesmo a pena rever as expressões, as experiências vividas, e mais que tudo, contar-lhes as histórias deles, com imagens reais!


Sofia**



P.S.: também podem querer ler alguns dos nossos posts aqui! ;)